quinta-feira, 6 de outubro de 2011

olhe lá

Esses peixes do pé da página nunca se cansam de comer!
Não se cansam porque não comem,
Não comem porque não vivem
E não vivem porque enxergam nada.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

curiosidade

fico curiosa em saber como é a sua casa, sua cama, seu jeito antes de dormir.
será que lê? será que vê um filme? será que conversa ao telefone uma conversa sem fim?
mas você odeia telefones e tecnologias. odeia o modo como as pessoas são frias e pouco gentis.
toda novidade é nova demais pra você. menos eu, que aqui estou e sou de seu interesse.
interesse, por assim dizer, do que me interessa. e o meu interesse é você.

domingo, 18 de setembro de 2011

sobre gosto

às vezes fico em dúvida
se gosto porque gosto
ou se gosto de gostar

porque gosto a gente tem
nem entende, mas tem

já o gosto do gosto
pode ser só admiração
uma vontade de gostar do que não gosta
(ou gosta)

quer saber? não sei
só sei que ando gostando


data: dia tal de 2009. ou 2010?

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Bom e ruim

A parte boa é que eu me sinto bem.
A ruim, é que posso estar errada.
E isso é um bom ponto. Ou um ruim.

De mentirinha


Sabe, o motivo de eu estar tão, tão entediada é justamente o fato de você ser tão, tão sem graça.

Parece um motivo justo, não? Afinal, para que serveriam todas as coisas divertidas do mundo se não fossem para nos fazerem sorrir?
Entenda só, é o que eu tento fazer. Digo, sorrir e apreciar essas coisas.

Já você, parece deixar passar tudo em vão. Assim, como se a vida fosse uma bolinha de poeira que voa e voa pelo espaço. Muito curioso isso tudo.

Se você soubesse como é fácil rir, riria mais comigo. Mas às vezes parece um esforço tão grande te fazer sorrir que eu até desisto de ensinar.

E veja só, eu, logo eu, que quase nunca desisto das coisas.

Pois é o que digo: é assim mesmo. Quase tão, tão entediante como ler um livro inteirinho só sobre a vida das amebas.
(E que perdoem-me os biólogos)

E então, o que pode-se dizer

Quando é muito, e grande, e incerto, e de repente vira uma outra vítima de certo atropelo por línguas e palavras, vindas todas de um suplício tão lindo como tolo.

Padre Antônio Viera

"Ora vede: Definindo S. Bernardo o amor fino, diz assim: Amor non quaerit causam, nec fructum: "O amor fino não busca causa nem fruto". Se amo, porque me amam, tem o amor causa; se amo, para que me amem, tem fruto: o amor fino não há de ter por quê nem para quê. Se amo por que me amam, é obrigação, faço o que devo; se amo para que me amem, é negociação, busco o que desejo. Pois como há de amar o amor para ser fino? Amo, quia amo, como ut amem: amo, porque amo, e amo para amar. Quem ama porque o amam, é agradecido; quem ama, para que o amem, é interesseiro; quem ama, não porque o amam, nem para que o amem, esse só é fino."

sábado, 3 de setembro de 2011

Quente ou Gelado

Venha tomar um chá!
Acomode-se, puxe uma poltrona, coloque em sua xícara um bocado de açúcar para adoçar seus contos.
Se preferir quente, prepare-se para a aconchegante sensação do vapor da água tocando seu rosto. Se gelado, mergulhe mais umas boas pedrinhas de gelo e o pacote ficará completo.
Aproveite também para escolher um bom romance em minha prateleira: tenho de tudo um pouco ou um pouco de tudo.
Seja bem-vindo e curta sua estadia. Aproxime-se do mais novo salão de ervas aromáticas e sinta o prazer da boa vida.
Depois disso, até logo e volte sempre.
Espero sua cartinha em até dois dias.





Poema Bobinho (ou Folha de Papel)

Se eu soubesse desenhar
Pintaria o seu rosto assim do jeitinho que ele é
Suas bochechas talvez fossem nuvens
E seus olhos o céu, de tão azuis que são

Se eu soubesse desenhar
Talvez não estivesse nesse cantinho
Mas sim fazendo um curso de artista
E contribuindo com a minha imaginação

Mas como não sei desenhar
Fico aqui com algumas palavras
As minhas, as suas
As nossas palavrinhas de hortelã


E assim foi


No fundo ela sabia. No fundo ela sempre soube. No instante mesmo em que capturou a pedra, já pensava em quando iria perdê-la. As pedras, todos sabem, são fascinantes e muitas vezes preciosas. Aquela poderia ser uma pedra comum, ou poderia ser daquelas que quando observa-se com cuidado é que se pode ver seu valor.
Foi assim, um dia, que ela a encontrou: a pedra parecia pedir para que fosse retirada do meio da terra avermelhada, típica do sertão. A menina a pegou e guardou no bolso furado do velho macacão jeans. Conforme andava, sentia a pequena joia - como passou a chamá-la - balançando por dentro de sua roupa aquecida pelo sol da tarde. Gostava muito dessa sensação, gostava de como se sentia não mais tão sozinha e protegida, ainda que por algo que só ela sabia que estava ali.
A caminhada foi longa e no caminho as duas passaram por paisagens secas, mas também por lindos riachos de água corrente.
Quando chegou em casa, a pedra já não estava em seu bolso. Era provável que tivesse caído de novo na terra dura. Mas quem sabe, com um pouco de esperança, tenha ido apenas se refrescar naquele riacho de águas claras.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Tipo Alice.


Tipo empolgante, tipo nada entediante,
Tipo aventuresco ou grotesco.
Tipo meio confuso...
Tipo meio complicado.
Tipo super exciting.
Tipo un grand problème.
Tipo Carnaval e festa de família.
Tipo assim, tipo o mundo, tipo surreal.
Tipo Alice, do País das Maravilhas.

(Would you like to follow me?)

domingo, 24 de julho de 2011

That's it:

Haters gonna hate,
Lovers gonna love,
And ordinary people gonna...
Just be ordinary.

Conversa.

- Liga lá na Laura. Porque senão tem que resolver gente, a gente tem que fazer nossos dias de acordo com as nossas coisas.
- Você pode ligar também do Skype.
- Hahaha.
- Hahahahahahã.
- Vaisjeh.
- Se tá respondendo pra quem? Ham?
- AHAHAHA
- Juliana retardada.
- Calma, tem que começar aqui. Opa. Ah, opa.
- É braba demais, Nina!!!
- Vou ver um filme!
- Ahahahaiiiihhhh
- Uhuhu
- Me dá o controle do vídeo, da televisão?
- Com quem que ocês tão falando?
- Nina, elas tão rindo dimin.
- Tipo assim né.
- Hihihihii.
- RAUGHT
- Coloca RAUGHT!
- "Cala a boca (?)"
- Você sabia que a Lord não tem mais 15% de desconto?

(...)

- Ô Nina!!! Ela aproveitou os meus talentos!!!

domingo, 3 de abril de 2011

De dois em dois.

Aos dezesseis anos as duas eram melhores amigas. Riam juntas, conversavam e falavam besteiras em frente à uma câmera no computador.

Aos dezesseis anos elas reviam o que havia sido gravado, riam, esqueciam.

Aos dezoito anos elas reviam o vídeo gravado dois anos atrás. Continuavam as mesmas.

Aos dezoito anos as duas eram melhores amigas. Riam juntas, conversavam e falavam besteiras em frente à uma câmera no computador.

Daqui a dois anos...

Skrivmaskin.

S
So
Son
Sonh
Sonho
Sonho.
Sonho
Sonh
Son
So
S

S
So
Son
Sonh
Sonho
Sonho?

Devaneios da Madrugada II

Agora são 5:05 da manhã (é idiota, mas eu simplesmente não consigo não mandar os três beijinhos).

O último post foi bom porque me fez lembrar de muitas coisas legais. Porém, não satisfez completamente a minha vontade de escrever sobre... Sentimentos aleatórios.

Agora, por exemplo, eu gostaria que o Chá Gelado sabor pêssego não tivesse acabado. Aliás, Chá Gelado. Thé Glacé. Eis a minha inspiração para o título do blog.

Inclusive acho pertinente comentar sobre a minha constante mudança de background. Desculpa, isso deve ser chato, mas eu não consigo deixar o mesmo por muito tempo. Até esse, eu não mudei nem há uma semana e já está me irritando. Tudo rosa demais. E eu precisava de um título. Tá certo que "Thé Glacé" não significa nada, mas achei bonito.

É engraçado também como eu sempre faço as coisas de madrugada. Acontece que é esse o momento em que eu fico mais concentrada, mais insipirada... mais tudo! Pode apostar que 89,9% dos textos desse blog foram feitos de nessa hora. Parece que é quando tudo acontece!
O único problema desse hábito é que ele me faz acordar muito tarde todos os dias. Vou tentar me controlar. Amanhã, é sério, eu realmente espero acordar às nove da manhã!

C'est tout. A madrugada virou manhã e eu preciso dormir. Haverá mais devaneios, embora eu ache que esse agora foi meio idiota porque eu não disse nada com nada. Mesmo assim, vou publicar. Tanto faz, acho que ninguém vai ler. Ou vai. Pra falar a verdade eu acho que pelo menos alguém vai ler. Tudo bem.

Bonne nuit, chéris!

(Je suis à Paris)

Devaneios da Madrugada - nostalgia

Senti saudades de escrever pensamentos aleatórios aqui no meu blog. E é meio engraçado como agora que eu resolvi fazer isso surgiu uma espécie de bloqueio. Tudo bem, eu supero.

Aliás, lembro-me que o meu objetivo ao criar o blog era justamente esse: escrever coisas aleatórias. Foi uma época que eu curtia muito stand up comedy. Tão, tão 2008…

E por falar em 2008, vale dizer que eu fiquei com vontade de escrever agora porque fui ler as postagens antigas dos blogs das minhas melhores amigas. Muito engraçado! Eu relembrei muitas coisas. Por exemplo, era muito legal quando nós três nos fantasiávamos e fazíamos vídeos. A primeira vez foi especial, eu era a vilã com um capacete de hockey na cabeça e uma toalha roxa sendo usada como capa, enquanto segurava em uma mão um secador de cabelo e na outra um desodorante de spray. Enquanto isso, a Nathalia usava “maria-chiquinha” enrolada em uma toalha fofinha, com uma bolsa pendurada no ombro e adesivos frufus colados pelo corpo. É evidente que ela era a mocinha. A Marina, esperta, não curtia muito pagar mico no youtube e preferiu só filmar.

Hmmm, será que eu posto esse vídeo aqui? Hahaha melhor não. Eu acabei de ver, ri horrores! Em 1 minuto e 12 segundos nós conseguimos mostrar como éramos criativas usando frases como “seus cabelos ficarão lisos como nunca e você nunca mais vai ter cecê!” Pois é, ge-ni-al!!

É claro que tivemos outros, como o da líder de torcida e da sequestradora. Esse foi o Bubi quem filmou (e editou). Isso além das fotos bizarras na casa da Anna: a Nathalia virou uma mulata cheia de charme, eu e a Anna éramos meninos e a Marina uma patricinha à milésima potência. (Por que a Marina sempre pega os papéis mais fáceis? Poxa, eu interpretei um homem, a Anna também e a Nathalia PINTOU O ROSTO INTEIRO com sombra!)

Muito, muito, muito divertido!

Por falar nisso eu lembrei de uma tal teoria da Nathalia (ou da Capricho) que fez sucesso naquele tempo. Era mais ou menos assim:
(Extra: para descrever a teoria com mais precisão eu pensei em ir no blog da Marina para reler o tal post – sim, a teoria “é da Nathalia“ mas estava no blog da Marina –, mas acabei digitando o endereço errado e cai no blog de uma mulher grávida falando sobre seu bebê. Nem sei direito porque estou comentando isso, mas é que eu achei uma gracinha o modo como ela fala de tudo.)

Nós (homens e mulheres) temos sede e queremos água. Existe uma garrafa d’água na nossa frente, mas nós não queremos uma garrafa d’água, queremos a água em uma jarra. Dessa forma ficamos procurando a tal jarra, sem perceber que a garrafa está bem ali na nossa frente e também pode nos satisfazer. Depois de um tempo, a sede é tanta que desistimos da jarra e vamos ao encontro da garrafa, mas a essa altura a garrafa já não está mais lá, porque nós acabamos a derrubando enquanto procurávamos a jarra. É aí que você percebe que está na pior e se arrepende de não ter escolhido a garrafa desde o princípio. Mas como você está com muita, MUITA sede, o que você faz?! Pega um suco de laranja.

Ok, ok. Isso estava fazendo sentido e parecia até muito bonitinho até chegar no final… SUCO DE LARANJA?! Sério, por quê?! SUCO DE GOIABA também valeria ou o de laranja é especial? Assim, certo. Isso pode ser bem estúpido, mas eu não entendi. Alguém me explica s’il vous plâit.

De qualquer modo, a palavra LARANJA também me faz lembrar de bons tempos. Ah, 2008! E 2009, 2010, 2011… (Credo, a gente não passa dessa fase nunca). A diferença é que em 2011 a coisa toda tomou outro plano. E isso é muito, muuuito legal!

Obrigado laranjas, maracujás, maçãs (ok, é estranho EU falar “maçã“, mas tudo bem), abacaxis (!!!), morangos, morangos ao leite. Sensacional.

Existiu até um post meu aqui falando sobre suco de laranja, copos, canudos e etc. Eu removi esse post um pouco depois de publicá-lo, ainda bem. Mas ainda tenho ele guardado no meu e-mail! Hehe. É bom saber.

Bom, isso foi um post bem grande e bem nostálgico. Não era exatamente esse o objetivo, mas foi ótimo mesmo assim!

Hasta la vista!

Só um PS:
A água
Um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo mais um pingo (…) fazem uma poça.

O meu irmão João daria nota zero para essa redação. A Nathalia daria dez.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Minha (quase) melhor amiga.



Ahhhhhhhh você também?! Nossa, eu achava que era a única que gostava de colecionar lagartixas!! Sempre tive esse sonho, desde menina, sempre sonhei em abrir um grande hotel onde poderiam se hospedar apenas animais e insetos que as pessoas não gostam! Eu ia cuidar deles com carinho, ia dar banho, enxugar, alimentar! E mesmo quando eles morressem eu ia mantê-los lá, enterrados uns ao lado dos outros! As lagartixas principalmente, ah, são as minhas preferidas! As vezes ficam paradinhas paradinhas, parecem que estão dormindo! E aí de repente… ZAP! Começam a subir pelas paredes (literalmente hehehe) iguaizinhas aquelas fugitivas que a gente vê nos filmes de ação da tarde! O corpo delas então, todo molhadinho, meio gosmento, mas parecem estar sempre tão fresquinhas, como se tivessem acabado de tomar banho! Poxa, é tão bom encontrar alguém assim parecido com a gente… Você as vezes não sente falta? Falta de ter alguém pra falar sobre os hábitos alimentares desses animais ou apenas para compartilhar as suas travessuras? Sim, sim, eu sei que você não pode ser como eu, até porque eu sei o quanto é difícil criar essas gracinhas! Mas você também não acha gostoso?! Asqueroso?! Asqueroso?! Eu hein, hehe, você está é confundido elas com aquelas bonecas americanas metidas a besta! Ai, eu também acho elas asquerosas, não vejo a mínima graça naquelas coisas de plástico duro! Coisa, coisa sim porque veja lá, como vou interagir com uma coisa que nem vida tem?! O máximo que elas podem fazer é falar cinco frases diferentes, mas isso também só acontece quando tem aquela cordinha pra puxar no meio das costas! É, não sei o nome dela não, deve ser esse mesmo… Mas pra que eu vou querer saber? Se eu sei onde compra? Não, haha, imagina! Mas olha, em compensação tem uma petshop que eu conheço que… Ei! Espera! Onde você tá indo?? Por que está me chamando de maluca?! Oras, achei que você também gostasse de lagartixas…